Gestão da dor

“Uma experiência sensorial e emocional desagradável que se associa a uma lesão tecidular concreta ou potencial”

blue
Imagen
Gestión del dolor

A Associação Internacional para o Estudo da Dor (IASP) define dor como “uma experiência sensorial e emocional desagradável que se associa a uma lesão tecidular concreta ou potencial”1. A dor é uma experiência humana individual totalmente subjetiva e que apenas pode ser verdadeiramente sentida pela pessoa que a experiencia1.

Nos pacientes com cancro, a prevalência da dor sempre se revelou alta, não apenas nos estádios avançados da doença, como também nos estádios mais iniciais2.

De facto, a dor oncológica é um dos aspetos mais temidos em relação ao cancro, podendo mesmo manifestar-se em pacientes que venceram o cancro como efeito secundário grave e debilitante do tratamento3. Embora a dor oncológica fosse considerada, há já algum tempo, como uma condição clínica isolada, critérios de diagnóstico recentes permitiram fazer uma distinção entre a dor crónica e a dor irruptiva, as quais se distinguem claramente em termos de ocorrência, intensidade e duração, pelo que cada uma deve ser abordada de acordo com estas características definidoras4.

A dor irruptiva oncológica é definida como uma exacerbação transitória da dor que ocorre quer espontaneamente quer desencadeada por um fator específico (previsível ou imprevisível), apesar do relativamente estável e adequado controlo da dor basal5.  É comum nestes pacientes (40-80%) e constitui uma importante causa de morbidez. A gestão bem sucedida da dor irruptiva depende de uma combinação entre uma avaliação adequada, um tratamento apropriado e uma reavaliação rigorosa5.

Referências:

1 Associação Internacional para o Estudo da Dor. Taxonomia IASP [site oficial]. [Atualizado em 2015; acedido em dezembro de 2015].

2 Porta-Sales J et al. Dolor irruptivo en cáncer. Med Clin (Barc) 2010;135(6):280–285.

3 Pain Australia. What is Pain? [site oficial]. [Atualizado em 2015; acedido em dezembro de 2015].

4 Escobar Y. Optimal management of breakthrough cancer pain (BCP). Clin Transl Oncol 2013;15(7):526-34.

5 Davies et al. Breakthrough cancer pain: An observational study of 1000 European oncology patients. J Pain Symptom Manage 2013;46(5):619-28.